Banner juvino publicidade

Política

Entenda a polêmica" 18/05/2017 21:25 Último Segundo

Conversa de Temer com Joesley Batista não é prova cabal de interferência; entenda

Audio divulgado pelo stf de temer e joesley 323291608 soundcloud

Se a gravação divulgada entre Michel Temer e Joesley Batista é a tal "prova infalível" de que o presidente protege Eduardo Cunha, nada está provado

Durante o dia de hoje, muito se falou sobre a gravação que comprovaria que o presidente Michel Temer sabia que o ex-deputado Eduardo Cunha recebia uma mesada para comprar seu silencio e que também incentivou essa prática. A prova disso era a frase dita pelo presidente: "Tem que manter isso, viu?"

Somente os grupos que desejam que o caos se estabeleça no Brasil e que não aceitam o consistente caminho de estabilidade que o país começa a encontrar é que podem forçar esse tipo de conclusão. Leia abaixo a transcrição do trecho do áudio, quando o presidente Temer fala a tal frase: 

Joesley: Eu estou lá me defendendo. Como é que eu, o que é que eu mais ou menos dei conta de fazer até agora? Eu tô de bem com o Eduardo...

Presidente Temer: Tem que manter isso, viu?

Joesley: Todo mês, também, eu estou segurando as pontas, estou indo. Esse processo, eu estou meio enrolado, assim, no processo...

A única coisa que alguém equilibrado e honesto pode concluir é que Temer incentiva Joesley a manter uma relação não conflituosa com Eduardo Cunha. É impossível concluir que Joesley, ou qualquer outra pessoa, está pagando uma semanada para comprar o silencio de Cunha, e muito que o presidente sabia e incentiva a alegada prática.

A decisão de comprometer o governo Temer com esse tipo de "prova" é irresponsável e precipitada. Esse tipo de ação estabanada lembra muito o fiasco da recente operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal em 17 de março, que mobilizou cerca de 1.100 policiais. Após gerar um enorme impacto negativo para a imagem do Brasil como maior exportador de carne do mundo, a PF concluiu dias mais tarde que os problemas eram apenas pontuais, apenas um equívoco.

Tudo isso acontece no mesmo momento em que o gigantesco volume de corrupção em que a JBS confessa estar envolvida se aproxima mais e mais dos governos do PT de Lula e Dilma. Segundo denúncia da revista "Época", a JBS depositou cerca de R$ 300 milhões em propina devida ao Partido dos Trabalhadores, numa conta secreta controlada por Joesley Batista na Suíça.

A origem deste dinheiro ilegal viria das vantagens ilícitas obtidas pela JBS durante os governos de Lula e Dilma, especialmente durante a gestão de Luciano Coutinho, presidente do BNDES. Segundo Joesley, o dinheiro era sacado no Brasil em nome de Lula e por ordem de Lula, às vezes por meio de Guido Mantega – e também em campanhas do PT em 2010 e 2014.

Há poucos dias das históricas reformas trabalhistas e previdenciárias que foram cuidadosamente costuradas pelo governo Temer serem votadas com boas chances de serem aprovadas, é de se perguntar a quem interessa destruir esse processo, no estilo do quanto pior melhor.

Ouça o áudio completo acima!


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9992-49411

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo